Paloma Morgado Mendonça
Belém / PA

 

Cortinas fechadas

 

           

Dentro de mim há um palco,
Cheio de peças e atos,
Em meio a caras e risos,
Choros contidos num abismo!

Dentro de mim há ilusões,
Cercadas com golpes de amor,
Cobertas por cenas de dor,
Contadas em certas porções!

Dentro de mim há buracos,
Profundos e inacabados,
Com guichês para escaladas,
Pra alcançar os meus eus!

Dentro de mim há centenas,
De histórias de amizade,
De relatos abertos de amor,
De cantigas de ninar!

Dentro de mim há vazios,
Repletos de “até logo”,
Preenchidos pelo amor,
E curados por deus!

Dentro de mim há uma luz,
Irradiando centelhas divinas,
Cobrindo as dores da alma,
Em borbulhas de carinho!

Quando olho pra mim,
Sinto que já fui,
Sinto que não estou,
Ou que já vou!

Então a cortina se abre,
E lá estou eu, secretamente,
Entre cortinas fechadas,
A atuar!

 

 

 

 
 
Poema publicado no livro "Contos de Verão"- Edição Especial - Fevereiro de 2017